Mulher que ri alto

Sobre aquelas mulheres que se deliciam por serem elas mesmas.

Alguns gostam de dizer que ela quer aparecer.
Poucos entendem a liberdade da gargalhada.
Outros preferem só assistir.

E é assim, ela nem se importa.
Ri, respira, se joga!
Ela se entorta na cadeira, segura o cigarro pra não cair.
Toma um gole, se recompõe e de novo começa a rir.

Ela tem um jeito todo especial
Ela não precisa se achar a tal 
Está ali, inteira e não liga para os olhares meio de rabeira.
E não se engane ela também é um pouco traiçoeira.

Ela some.
Some quando da vontade. 
Volta quando tem oportunidade.
Ela é solta.

Solta na vida como se não precisasse pedir passagem.
Ela entra invade, ensopa, transforma.
Ela não vai te ligar nunca.
Ela vai até você, não vai se importar com imagens.

Tem algo nela que parece dona.
Dona de tudo, dona do mundo.
Manda nas coisas sem querer 
e o que se resta é obedecer.

Ela paga a conta, sem soberba.
Pra ela o momento não tem preço ou valores.
Ela sobe no seu salto, pega a chave do carro
Se apodera, se envolve e não é mais a mesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *