Memória ligada ao gosto

Hoje o café da manha foi morangos. Os morangos mais bonitos do mundo! O que me fez e sempre me faz viajar. Viaja comigo?

Não sei dizer ao certo se amo morangos ou amo essa sensação de viajar para anos atrás. Lembro-me perfeitamente de cada ritual de domingo com meu pai e eventualmente minha mãe e irmão. Diferente da esmagadora maioria que iam sempre visitar a casa de avós ou avôs aos finais de semana, eu ia para uma construção que um dia seria a nossa casa.

Este lugar era apelidado carinhosamente de ” lote “.

_ Vamos para o ” Lote “

Dizia meu pai com espuma, detergente e cera pra carros. Ia ele lavar o carro e limpar o lugar e eu ia …

Bem …

Eu ia para o meu mundo magico! Criança não precisa de muita coisa para o lugar ser mágico! Basta ter espaço pra correr, um pouco de terra e MORANGOS.

Eu não sei bem, o que meu pai fazia. Pois hoje eu sei que morangos são bem difíceis de germinar. Mas no “lote”, dava! No lote brotava morangos!

E minhas tardes se passavam assim! Suja de terra, com pés descalços e as vezes sem o tampão do dedão, pois insistia em jogar bola em um lugar totalmente irregular e com britas ressaltadas do cimento.  Porém sempre à procura de morangos. Sempre!

Morangos pequenos. Azedos. Bem diferentes dos morangos que compro hoje, parrudos e docinhos. Lembro perfeitamente das folhas cortadinhas que eu me encantava e sabiamente compartilhava :

“_ Deus devia ter uma tesourinha de picote como a minha ! Pois o desenho das bordas das folhinhas eram idênticos. “

E lembro da alegria de embaixo daquelas folhas verdes e molhadas achar uma frutinha vermelhinha. O vermelho me encantava! 

Lembro da rapidez com que levava a boca ! Na ansiedade de ser feliz.

Bom, eu cresci. O “lote” nunca morei lá!

Era em um bairro mais humilde e violento pelo qual minha inocência de infância só me deixava enxergar o quão grande e magico aquele lugar era e ignorar completamente o que se tinha ao redor. Sabedoria infantil.

Porém, cresci com gosto de morango na boca, cresci ansiosa por felicidade. Cresci louca por morangos. Cresci cheia de memórias. E pra falar a verdade cresci sabendo que nunca vou crescer.Vou ser sempre a menina procurando os morangos por baixo das folhas molhadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *