Carta aberta ao coração

Um texto para todos os corações feridos.

Começo dizendo que odeio essa coisa de carta aberta. Carta aberta pra isso. Carta aberta para aquilo.
Nunca me pareceu fazer sentido uma carta para uma pessoa, mas com destino a todas.

Mas esta me pareceu necessária. Preciso dela e talvez você precise.
Assim como um trabalhador precisa do despertador pela manhã, mesmo acordando sozinho todos os dias no mesmo horário. É aquela questão de não confiar em seus instintos. De não deixar por sua conta, totalmente.
Pois, neste caso eu posso acordar, mas posso simplesmente não. E as consequências são graves.

Então, escrevo esse lembrete, esse alerta. Pra vida inteira.
Quero dizer doce coração, que você não é descartável.
Que sua capacidade de amar, de bater mais forte, de se apaixonar é INFINITA.

IN-FI-NI-TA.

Sua alma é capaz de vibrar por outras Milhares de vezes. MILHARES.
Essa história de um amor único é uma decisão e não um fato.
Quero dizer que quando você se entristecer por cada batida mal sucedia lembre-se das outras chances. Lembre-se que a batida não é pelo estimulo de fora mas sim por uma força que vibra dentro de você. Força que bombeia vida pra cada parte do seu copo.

Quero te comunicar meu coração, que as pessoas são mesmo encantadoras e más.
E que ela são feitas pra te fazer bater, bater, pular, pulsar. Mas, mais que isso, quero frisar que este movimento é também involuntário.

Você bate, bate sozinho, bate acompanhado, bate feliz, bate infeliz, bate dilacerado, bate safado, bate serio, bate ansioso, bate calmo. BATE ! você só para de bater quando a morte chega. Esteja em paz, então.

Fora isso, meu querido, você não para.
Coraçãozinho, não se assuste a ponto de se fechar. Não poupe batimentos fortes achando que assim você durará mais, você não tem fim. Você não tem quantidades para serem gasta.

Não se sinta tolo quando enganarem você ! Você não é obrigado a pensar. Você foi feito pra bater, não pra pensar.

Sinta-se privilegiado, quando por um segundo você titubear a parar de emoção. São estes semi- ataque que dão sentido os batimentos.
Se for possível, seja grande, seja corajoso, seja bravo. Seja gentil.

Coração, seja Forte.

As pessoas não sabem o que fazem. E eu não vou construir um muro a sua volta. Seria mais odioso construí-lo e deixar você minguar do que te expor a intemperes da vida .

Meu coração, tão meu que não é de ninguém, bata esperançoso até o fim.

Uma hora
perguntamos a Deus juntos, a razão deste beco sem saída.

Ass: Cérebro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *