Desculpe-me pelo silicone

Me senti na obrigação de escrever esse texto diante do bombardeio de informações burras da militancia body-positive. Todos nós sabemos que existe uma febre. A febre da aceitação do corpo como ele é. Cheio de suas nuances e defeitinhos que nos torna exatamente quem somos. Estamos também, careca de saber que desde crianças somos bombardeados…Continue reading Desculpe-me pelo silicone

Pequeno romance torpe

Um texto sobre os romances desertos de hoje. Uma releitura de Dom Casmurro no contemporâneo. Uma insinceridade. Hoje eu me deparei com uma situação duvidosa. Hoje eu me encontrei com os olhos verdes. Olhos verdes me ganha, me invade. Me desnuda a alma e o corpo como quem não se controla e faz por instinto.…Continue reading Pequeno romance torpe

Mulher que ri alto

Sobre aquelas mulheres que se deliciam por serem elas mesmas. Alguns gostam de dizer que ela quer aparecer.Poucos entendem a liberdade da gargalhada.Outros preferem só assistir. E é assim, ela nem se importa.Ri, respira, se joga!Ela se entorta na cadeira, segura o cigarro pra não cair.Toma um gole, se recompõe e de novo começa a…Continue reading Mulher que ri alto

Carta aberta ao coração

Um texto para todos os corações feridos. Começo dizendo que odeio essa coisa de carta aberta. Carta aberta pra isso. Carta aberta para aquilo. Nunca me pareceu fazer sentido uma carta para uma pessoa, mas com destino a todas. Mas esta me pareceu necessária. Preciso dela e talvez você precise. Assim como um trabalhador precisa…Continue reading Carta aberta ao coração

Estrela cadente

Eu estava de frente pra 100 pessoas. Sozinha! Todas em silencio…  Todas me encarando e esperando. Aquela sensação de ser testada e julgada me apavorava tanto quanto me excitava. Minha boca treme, minhas mãos transpiram mas as palavras saem sem um sinal de nervosismo. As pessoas levantam a cabeça, o timbre da minha voz é…Continue reading Estrela cadente